Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, domingo, 25 de agosto de 2019

André Pomponet

Cresce o número de divórcios em Feira de Santana

André Pomponet - 09 de março de 2016 | 09h 53
Cresce o número de divórcios em Feira de Santana

                               

A família se tornou um dos temas mais polêmicos do Brasil nos últimos tempos. Em termos de mobilização, equipara-se à crise econômica, às contendas épicas entre petistas e anti-petistas pelas ruas e ambientes virtuais, aos escândalos de corrupção, à goleada aplicada pela Alemanha na Copa do Mundo e às fofocas que pululam nas redes sociais envolvendo os famosos da vez. A comoção se deve à frenética peleja pela definição do conceito de família que ocorre em inúmeras arenas: nos parlamentos, nos púlpitos, nas ruas e salas de jantar e, sobretudo, nas redes sociais.

                O tema sempre foi espinhoso. Nos primórdios, coube à igreja – particularmente à Igreja Católica no mundo ocidental – a missão de conceituá-la, de zelar por seus valores e estabelecer os seus dogmas, que originaram inúmeros tabus. Tudo isso, conforme se dizia, a partir da inspiração bíblica. Bem depois, na Europa que emergia da Idade Média, o monopólio católico foi quebrado pela emergência do protestantismo, com seu dogmatismo particular.

                Ao largo dessas injunções teóricas a vida verdadeira foi amoldando a família, ajustando-a aos vernizes da moral e da tradição, mas, aqui e ali, expondo-a em seus múltiplos matizes. É o que ficou evidente com a colonização portuguesa no Brasil, que distendeu o conceito até os derradeiros limites da libertinagem. Dessa aventura civilizatória e da licenciosidade carnal emergiu a nação mestiça da qual, pelo menos no âmbito do discurso, alegamos nos orgulhar.

                As reiteradas lições impostas pela realidade ao dogmatismo de inspiração bíblica nunca foram suficientes para ajustá-lo à verdadeira dinâmica social. E as sisudas sentenças que defenestram tudo que foge do padrão familiar convencional – pai, mãe e filhos – seguiram se avolumando, apesar de se mostrarem visivelmente inócuas. Ultimamente, mergulhamos numa nova espiral de enquadramento febril. Até um “Estatuto da Família” foi desenterrado.

                A artilharia conservadora assenta-se no Congresso Nacional e visa, sobretudo, “combater” formações familiares não-convencionais, principalmente as chamadas uniões homoafetivas. Mas fustiga também os instrumentos legados pela modernidade, como o divórcio. Sob essa perspectiva, é mais virtuoso um casal infeliz que um par de separados, dispostos a reconstruir suas experiências afetivas.

                Feira de Santana

                Sendo assim, o divórcio é um recurso condenável sob a ótica religiosa. A realidade, todavia, demonstra que o instrumento vem sendo empregado de maneira crescente no Brasil e, também, na Feira de Santana, conforme atestam alentados levantamentos do IBGE. Obviamente, o ideal seria que os casamentos fossem voluntariamente indissolúveis: mas, à falta desse cenário idílico, impõe-se como uma necessidade para inúmeros casais.

                No longínquo 2004, foram registrados somente 185 divórcios no município. Nos anos seguintes, a tendência foi ascendente: 226 no ano seguinte e, em 2008, somaram-se 419; em 2014 veio o recorde: 988 divórcios, superando o recorde anterior, de 811 registros em 2011. Desde 2005, a quantidade nunca foi inferior a quatro centenas.

                O número de casamentos, por outro lado, distribuiu-se em torno de uma média razoavelmente uniforme entre 2004 e 2014: 2.577 registros. O recorde aconteceu em 2008 (3.006 casamentos) e o menor número da série ocorreu exatamente no ano anterior, em 2007: 2.145. No último ano da série, em 2014, foram precisos 2.504 casamentos.

                Inferências mais detalhadas com base nessas informações não são possíveis, mas as séries sinalizam para uma relativa estabilidade no número de casamentos e uma elevação – ou frequência maior – no número de divórcios. Isso significa uma tendência contínua da dissolução dos matrimônios? Certamente não. Os casamentos indissolúveis continuarão acontecendo.

Mas o que se observa é o uso mais frequente do divórcio como instrumento para a interrupção de casamentos provavelmente infelizes. Soluções do gênero não cabem nos padrões estreitos de família que deputados conservadores tentam forjar no Congresso. Exatamente como ocorria muito tempo atrás, nos sacrossantos conclaves religiosos... 

       



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje