Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, sábado, 24 de agosto de 2019

Geral

Justiça determina venda do Hospital Espanhol em seis meses

27 de abril de 2015 | 10h 12
Justiça determina venda do Hospital Espanhol em seis meses
Hospital fechou em setembro de 2014

A Justiça do Trabalho determinou que a Real Sociedade Espanhola venda em seis meses os prédios do Hospital Espanhol. A decisão, tomada nesta sexta-feira, 24, visa quitar as dívidas trabalhistas, calculadas até o momento em cerca de R$ 20 milhões, referentes a 600 ações. Além delas, ainda existem mais 1.000 reclamatórias pulverizadas em todo o Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (Bahia).

O prazo para a venda do Hospital Espanhol resultou de acerto entre as partes durante audiência realizada nesta sexta pelo Juízo de Conciliação de 2ª Instância do TRT5 (JC2), com a participação de dirigentes da entidade civil devedora e da Comissão de Credores.

A audiência foi convocada porque desde novembro de 2014 a Real Sociedade Espanhola vinha descumprindo acordo, pactuado em outubro de 2013, em que se comprometia a depositar R$ 240 mil por mês para a amortização de dívidas trabalhistas. Cerca de R$ 2,7 milhões chegaram a ser pagos, dando quitação a 80 processos. Com o fechamento do Hospital Espanhol, principal fonte de receita da associação, os pagamentos deixaram de ser feitos.

Uma nova audiência já está agendada para 27 de setembro próximo, onde a Real Sociedade Espanhola deverá prestar contas em torno da venda do Hospital, instalado na Barra, que é o bem de maior valor de grupo e está sendo negociado com intermediação da consultoria econômica Price Waterhouse. Até lá, ficarão suspensos quaisquer atos expropriatórios contra a entidade. Mas, nos próximos dias, os seus representantes apresentarão um rol completo de bens imóveis perante a Justiça a fim de reforçar a penhora já realizada.

A reportagem tentou contato com a presidência da Real Sociedade Espanhola, mas não obteve sucesso.

Bem de Utilidade Pública

Por meio de sua assessoria, o governo do Estado informou que não se pronunciaria sobre a decisão do TRT. Em setembro do ano passado, após o fechamento do hospital, o governo determinou em decreto que o imóvel passaria a ser um bem de utilidade pública, impedindo a especulação imobiliária.

FONTE: A Tarde



Geral LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje