Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, segunda, 16 de outubro de 2017

Valdomiro Silva

Bravo, Lionel Messi! Bem vindos à Rússia, hermanos

11 de outubro de 2017 | 08h 04
Bravo, Lionel Messi! Bem vindos à Rússia, hermanos
 
 
 
 
Sou torcedor primeiro do bom futebol. Antes mesmo até que do time do meu coração. Se o adversário está jogando bem e o meu time, mal, não me sinto tão feliz com o triunfo deste. Gosto de que saia vencedor quem apresenta melhor as suas estratégias, luta mais e faz melhor em campo. 
 
Isto posto, afirmo que torci nesta terça, dia 9, e muito, pela Argentina, de Messi e de mais alguns, mas principalmente por ele. E não me decepcionou. Calou os seus críticos com uma atuação de gala, naquele absurdo que é jogar na altitude de Quito, a 2,8 mil metros acima do nível do mar. 
 
Cronistas esportivos costumam dizer que um atleta somente se consagra definitivamente se for campeão de uma Copa, por sua seleção. Acho isto uma grande tolice. Por mim, Messi, Zico, Falcão, o uruguaio Francescoli, o português Euzébio, o húngaro Puskas e tantos outros (estes dois últimos, assinale-se, estão nessa lista por conta do que já li sobre eles; não os vi em ação) são tão ou mais merecedores de reconhecimento quanto os que um dia subiram ao pódium de um mundial.
 
Messi marcou três golaços, garantiu a vaga argentina na Copa da Rússia e mostrou ao mundo o quanto é capaz  um atleta,mesmo sem outros companheiros de brilho semelhante ao seu lado. Desequilibrou a partida, embora estivesse em um ambiente absolutamente inóspito para o futebol. 
 
A Copa da Rússia sem Messi, ou Cristiano Ronaldo ou Neymar perderia um terço de seu atrativo. Sem dois deles, dois terços. E sem nenhum, não valeria  nada, praticamente. Que ótimo poder contar com todos eles em campo. 
 
Uma pena o Chile, um selecionado de qualidade, ficar fora do Mundial. O time vem decaindo, desde a perda do seu técnico Jorge Sampaolli. E  o Paraguai nunca foi tão... Paraguai. Depois de vencer Argentina e Colombia fora de casa, habilitar-se de maneira sensacional a uma vaga e tê-la tão próximo - bastava vencer em casa a lanterna Venezuela, entregou o ouro, perdendo por 1x0 em Assunção. Uma dor muto grande para a sua torcida.


Valdomiro Silva LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje