Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quinta, 23 de novembro de 2017

Valdomiro Silva

Clubes vivem bons e maus momentos, na longa Série A

13 de novembro de 2017 | 23h 34
Clubes vivem bons e maus momentos, na longa Série A
 
 
Um campeonato longo como a Série A, no Brasil, em que os 20 clubes realizam nada menos que 38 jogos, é comum que várias equipes oscilem ao longo da competição, tenham bons e maus momentos. E assim tem sido este  Brasileiro 2017, praticamente nas mãos do Corinthians. 
 
O próprio virtual campeão nacional vive ao menos três fases distintas durante o certame. Iniciou muito bem, permanecendo invicto até ser derrotado dentro de Itaquera pelo então Z4 Vitória. Depois, também neste segundo turno, viveu uma fase bem ruim (justamente a partir daquele fiasco), chegando a perder mais uma vez dentro de casa para o lanterna Atlético de Goiás.
 
Viu recentemente o título ameaçado, com a distância bastante reduzida diante do arquirival Palmeiras. Caiu de 14 para seis pontos apenas. Mas justamente o decisivo clássico foi o ponto de partida para um segundo bom  momento do clube na competição. Daí em diante só coleciona vitórias e pode ser campeão este meio de semana, sendo suficiente uma vitória em casa perante o ameaçado Fluminense-RJ, que ainda luta para fugir da degola.
 
O próprio Palmeiras, que teve um início ruim, recuperou-se no returno, chegou bem perto do Corinthians e, mais uma vez, retornou ao ponto de origem, perdendo em seguida para o Vitória e vendo desmoronar o sonho do bicampeonato. E assim aconteceu com outras equipes, como o Santos, que também oscilou muito, neste Nacional. E até o Atlético de Goiás, lanterna e quase rebaixado,viveu sua fase positiva no torneio, no início do segundo turno - bem verdade que durou pouco e igualmente serviu.
 
Esta é a rotina também dos nossos representantes Bahia e Vitória. Agora, na reta final, coincidentemente os dois times do Estado vivem uma boa sequencia. O tricolor vem de boas apresentações, vitória contra a Ponte Preta e empate, também em casa,  frente ao Atlético-MG. Jogou muito bem esta partida e merecia ter vencido. Está livre do perigo do rebaixamento e pode até brigar por vaga na pré-Libertadores.
 
O rubro-negro, até poucos dias desacreditado e considerado praticamente rebaixado, renasce das cinzas com dois grandes e improváveis resultados: um convincente triunfo ante o Palmeiras, no Barradão onde não vencia há quatro meses, e um heroico empate obtido no Rio Grande do Sul contra o Grêmio, 1x1. A equipe baiana ainda jogou todo o segundo tempo com um homem a menos, após expulsão equivocada pelo árbitro do volante Fillipe Souto.
 
Está três pontos a frente dos concorrentes Sport, Ponte Preta e Avaí. Mesmo que perca para a Chapecoense, em Santa Catarina, quinta, continuará livre da Zona de Rebaixamento. Para voltar ao Z4  esses rivais teriam que ganhar suas partidas, todos eles aplicando goleadas. Muito difícil. A matemática, no momento, favorece a permanência do Vitória.
 
E assim, com tantas idas e vindas, vai chegando ao fim o Brasileirão deste ano. Restam apenas mais quatro rodadas. Este, sem dúvida, o pior instante para uma equipe entrar em baixo rendimento. É o que acontece com o leão pernambucano, Sport, por exemplo. Para a sorte de um outro felino, o da Barra.


Valdomiro Silva LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje