Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, segunda, 24 de setembro de 2018

Mundo

Nigéria confirma desaparecimento de 110 meninas após ataque do Boko Haram

26 de fevereiro de 2018 | 07h 52
Nigéria confirma desaparecimento de 110 meninas após ataque do Boko Haram
O governo da Nigéria confirmou o desaparecimento de 110 estudantes da escola feminina de ensino médio atacada pelo grupo jihadista Boko Haram na segunda-feira passada (19), na cidade de Dapchi, no noroeste do país, afirmaram nesta segunda-feira à Agência EFE fontes do Ministério de Informação.
 
Após reunião nesse domingo (25) com as famílias das desaparecidas, o diretor do colégio e autoridades locais de Yobe, região onde se situa Dapchi, o ministro de Informação nigeriano, Lai Mohammed, confirmou que 110 das 906 estudantes matriculadas no colégio seguem desaparecidas após o ataque do grupo terrorista, que provocou a fuga de centenas de alunos e professores.
 
O presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, declarou, no fim da semana passada, que seriam reforçados o número de tropas na área e a vigilância aérea, para conseguir que as meninas voltem para casa seguras, que os terroristas sejam detidos e "se faça justiça".
 
Esse incidente ocorre a apenas dois meses do aniversário de quatro anos do sequestro de mais de 200 estudantes de outro colégio em Chibok, no estado vizinho de Borno.
 
Mais de 100 dessas meninas sequestradas em abril de 2014 foram libertadas, mas 112 permanecem em cativeiro.
 
A Nigéria registrou aumento do número de ataques suicidas nos últimos meses, apesar de os terroristas terem perdido presença em alguns dos seus territórios após operações bem-sucedidas realizadas pelas forças de segurança.
 
Em represália, os jihadistas adaptaram seus ataques a lugares considerados como pontos fracos, como locais de oração, escolas e campos de refugiados.
 
O Boko Haram luta para impor um Estado islâmico na Nigéria, país de maioria muçulmana no norte e predominantemente cristão no sul. Mais de 20 mil pessoas morreram desde o começo da insurgência jihadista na região em 2009.
 
Além disso, cerca de 1,6 milhão de pessoas se viram obrigadas a abandonar seus lares e 4,7 milhões necessitam de assistência alimentícia urgentemente, segundo números da Organização das Nações Unidas (ONU).


Mundo LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje