Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quinta, 15 de novembro de 2018

André Pomponet

Prisão de Lula ampliará instabilidades

André Pomponet - 05 de abril de 2018 | 12h 49
Prisão de Lula ampliará instabilidades

Ontem (04) o Supremo Tribunal Federal (STF) negou o pedido de habeas corpus do ex-presidente Lula, pela polêmica condenação no episódio do triplex no Guarujá (SP). Isso significa que a ordem de prisão do todo-poderoso dirigente petista pode ser expedida nos próximos dias. O Partido dos Trabalhadores (PT), porém, anunciou que não recua da decisão de mantê-lo candidato à presidência, mesmo preso. É mais lenha na fogueira das instabilidades políticas que abalam o País há quatro anos.

Nos dias que antecederam o julgamento do habeas corpus houve pressão intensa pela rejeição do pedido. Na véspera, o comandante do Exército – general exaltado como “democrata” – despejou uma nota alarmante numa rede social, insinuando a hipotética possibilidade de intervenção do Exército na vida política do País, caso a impunidade” gerasse reações da sociedade.

Órgãos de comunicação não perderam a oportunidade de fustigar o petista em diversos flancos. Valeu tudo: matérias sobre reações desfavoráveis do “deus mercado”, textos catastróficos sobre o risco de soltura dos demais encalacrados por crimes de corrupção eaté mesmo, a chantagem sobre a libertação de estupradores. Evidentemente também houve pressão intensa sobre os magistrados encarregados de julgar o caso no STF.

Nesses tempos de muito barulho e poucas ideias, valeram também ameaças de reações violentas à decisão do STF. Embora a disposição bélica raramente transborde das redes sociais, o discurso serviu como elemento adicional de pressão: a pretensa “reação das ruas” foi manipulada para disseminar o temor da violência e do caos político.

Impacto Eleitoral

É indiscutível que, ontem, o PT sofreu mais um intenso abalo em seu projeto de poder: depois da deposição de Dilma Rousseff no controverso impeachment, vieram as condenações do líder máximo da legenda e, a partir de agora, fica a expectativa da prisão.Hoje (05), o partido anunciou que pretende transformar a prisão de Lula num grande ato, com expressiva presença de público, em São Bernardo do Campo (SP).

Ontem, movimentos sociais anunciaram reação à prisão, com mobilizações para os próximos dias. No dia crucial do julgamento, porém, as manifestações foram tímidas. Agora, apostam-se todas as fichas na hipotética comoção que a prisão vai causar. É mais provável que o clima de letargia àesquerda verificado nos últimos tempos persista: descontando o impacto provocado pela morte da vereadora MarielleFranco (Psol-RJ), quase nada mobiliza a população.

Paradoxalmente, a prisão de Lula não garante vereda aberta para a candidatura de “centro” – conforme se rebatizou o pretenso liberalismo tupiniquim – e, menos ainda, assegura sua vitória. Até aqui, essa gente empolga pouco o eleitor. Caso fosse candidato, Lula provavelmente se elegeria tranquilamente.

A única certeza é que a provável prisão de Lula vai trazer ainda mais perturbações à instável política brasileira. E se avolumam os sinais inquietantes de que uma solução pela força não está descartada. Está aí, manifesta, a opinião do comandante do Exército que reforça as sombras sobre a enferma democracia brasileira.



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje