Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, sábado, 21 de abril de 2018

André Pomponet

Apesar das negativas, oposição baiana permanece estupefata

André Pomponet - 13 de abril de 2018 | 11h 52
Apesar das negativas, oposição baiana permanece estupefata

O clima na oposição baiana ainda é de estupefação diante da desistência do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), de disputar as eleições para governador da Bahia. É claro que poucos admitem publicamente, mas nos bastidores houve surpresa, espanto e desalento. Liderança mais destacada da oposição ao PT na Bahia, o chefe do Executivo soteropolitano era aposta certa, inclusive, para alavancar no estado a indefinida candidatura de centro-direita que ainda não se firmou no cenário eleitoral.

Com a desistência, se estabeleceu um clima confuso, carregado de incertezas. O apressado lançamento de duas candidaturas de oposição – José Ronaldo de Carvalho (DEM) e João Gualberto (PSDB) – e a troca de farpas com o MDB, que também anunciou que vai lançar candidato, mostram a oposição atabalhoada, a apenas seis meses das eleições.

Milhares de matérias, comentários e artigos foram dedicados à chapa de oposição nos últimos meses. Nela, invariavelmente, ACM Neto figurava como candidato a governador. E João Gualberto, José Ronaldo e Jutahy Magalhães Júnior alternavam-se na composição com nomes do PP e do PR, hipotéticos novos aliados, que no fim não debandaram da situação.

Na véspera da desistência, a propósito, ACM Neto disputaria o governo, João Gualberto seria o vice e José Ronaldo e Jautahy Júnior figuravam como candidatos ao Senado. Sexta-feira (06) veio a hecatombe: o prefeito de Salvador desistiu e lançou, de imediato, a candidatura de José Ronaldo, o que desagradou os tucanos baianos. Ao longo da semana as fissuras e as rusgas se avolumaram, embora a possibilidade de um acordo, mais adiante, não seja descartada.

Presidência

São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia abrigam quase 50% do eleitorado brasileiro. Quem pretende chegar à presidência da República precisa de palanques competitivos nesses estados. A desistência de ACM Neto impõe percalços severos para, pelo menos, duas pré-candidaturas: as de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Geraldo Alckmin (PSDB-SP), que dispõem, hoje, de baixa capilaridade eleitoral na Bahia.

Isso pode favorecer candidatos mais à esquerda no estado – governado pelo PT, vale ressaltar – que poderão emergir com ampla vantagem na Bahia, equilibrando o jogo no cenário nacional. Sobretudo porque, caso se confirmem tantas pré-candidaturas, um desempenho muito favorável aqui pode impulsionar o felizardo para o segundo turno.

Essas inferências prendem-se à realidade do momento. E, no Brasil de tantas incertezas políticas, a realidade pode mudar dramaticamente. Está aí, por exemplo, a recente prisão de Lula, pré-candidato do PT, cujos desdobramentos sobre o processo eleitoral são imprevisíveis. Estão aí, também, as disposições autoritárias que fazem sucesso, pleiteando golpe ou intervenção militar.

O fato é que a desistência de ACM Neto arranhou sua reputação no cenário político nacional. Com o tempo, as mágoas tendem a ir se diluindo, mergulhando nos escaninhos da memória. Mas a desistência intempestiva, depois de uma intensa – e até cinematográfica – expectativa, mostram cautela excessiva e, até, uma insuspeita insegurança.

Na Bahia, o PT só não comemorou mais por causa da catástrofe que lançou Lula lá, na carceragem da Polícia Federal em Curitiba.



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje