Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quinta, 20 de setembro de 2018

Geral

Bebida clandestina continua sendo o maior problema encontrado pela Vigilância Sanitária

20 de abril de 2018 | 11h 00
Bebida clandestina continua sendo o maior problema encontrado pela Vigilância Sanitária
Para deixar o folião mais seguro para curtir a Micareta de Feira, que acontece até o próximo domingo, 22, a Vigilância Sanitária tem realizado inspeções para conferir a qualidade de bebidas e alimentos vendidos no circuito da festa. A  medida visa combater a comercialização de produtos clandestinos e vencidos, que podem causar intoxicação alimentar, além de outros problemas de saúde para quem consome.
 
Segundo a coordenadora da Vigilância Sanitária, Kérssia Carneiro, a bebida clandestina ainda continua sendo o maior vilão. “Todos os anos enfrentamos esse problema com os ambulantes que insistem em comercializar bebidas de venda proibida, como o príncipe maluco e cravinho. Isso é um crime a saúde pública, pois são produtos sem nenhum registro e com a utilização de ingredientes desconhecidos”, afirma.
 
Além disso, a Vigilância Sanitária está atenta aos produtos vencidos, geralmente os mais encontrados neste estado são ketchup, maionese, molho de tomate, salsicha e as carnes. “Para garantir que a carne veio de um local fiscalizado, pedimos sempre a nota fiscal”, informa.
 
Kérssia Carneiro também alerta os consumidores que se sentirem inseguros a consumir algum tipo de alimento, verificar se estes estão acondicionados em isopor ou caixa térmica, o cheiro do produto, assim como observar se as pessoas estão utilizando os equipamento de manuseio distribuídos pela Vigilância, que são luva, touca e avental.
 
“Nós pedimos que ao encontrar alguma irregularidade as pessoas procurem os nossos técnicos no Posto de Saúde ou em um de nossos pontos distribuídos no circuito”, ressalta.
 
Diariamente, a fiscalização tem acontecido durante os três turnos em locais que vendem produtos alimentícios. Unidades de Saúde públicas e privadas também estão recebendo a visita dos técnicos para averiguar se há algum caso de intoxicação alimentar oriundo do circuito da festa.


Geral LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje