Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, sábado, 17 de novembro de 2018

César Oliveira

Democracia, rede social e o poder compartilhado

Cesar Oliveira - 23 de abril de 2018 | 16h 21
Democracia, rede social e o poder compartilhado
Estruturalmente, a democracia, estabeleceu, ou tentou, um sistema de pesos e contrapesos que permitissem o equilíbrio entre o Executivo, Legislativo e Judiciário, divisão que vigora a maior parte de nossa existência. Na interface com estes elementos centrais, alguns outros, foram sendo criados e exercem influências variáveis como fazem a Polícia, o Ministério Público e a Imprensa, por vezes chamada de quarto poder. Não a toa, Churchill, dizia: " não há opinião pública; há opinião publicada".
 
O cidadão sempre foi a opinião publicada, por outros, afinal, exceto em momentos esparsos de conflitos revolucionários, raramente ele encontrava maneiras de representar sua opinião. O advento da internet e sua filha serpente- as redes sociais- tornaram cada cidadão uma opinião pública, frequentemente inconciliável com as demais e que reage, geralmente de modo feroz, quase irracional e até violento, a qualquer discordância ou tentativa de contra-argumento.
 
Alguns acham que as redes sociais deram origem a esse modelo fragmentado, reacionário, jacobino e eivado de rancores. Não acredito. As redes não inventaram um novo humano, um cidadão anti-social, com fragmentos de cérebro reptiliano e que mais reage que analisa. É o mesmo, lamentável, humano de sempre, com suas pulsões freudianas em plena efervescência, a achar que sim, o inferno são os outros.
 
Apesar do Papa ter desmentido a existência do inferno, recentemente, sabemos que ele está por aí, como antítese a toda ação positiva humana. Assim, os aspectos negativos da rede advindos dessa desnudação pública do comportamento humano, estão aí para contrabalançar sua ação positiva.
 
Uma delas é a exposição continuada das entranhas do poder, em suas piores ações, gerando uma resposta da opinião pública - e não mais, apenas, da opinião publicada, com seus interesses próprios- criando um novo protagonista entre os três poderes.
 
No cenário, brasileiro, atual, a  essa exibição, o poder Legislativo tem respondido com covardia e indiferença para tentar preservar seu status quo de patrimonialismo e devassidão ética; o Executivo, continua agindo  nos bastidores a favor dos seus, mas só  franco-atirador seria capaz de não se importar com a voz rouca dos teclados, e o Judiciário assume o protagonismo de legislar e combater as mazelas alheias, sem olhar as suas.
 
O certo, no entanto, é que o compartilhamento do poder com o cidadão é uma marcha irreversível da humanidade. Nada será como antes e nunca mais haverá, somente, a opinião publicada. Só não temos certeza, ainda, que o protagonismo da opinião pública, sem filtro, não é o inferno anunciado.. 


César Oliveira LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje