Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, sábado, 17 de novembro de 2018

André Pomponet

Situação da economia volta a assustar

André Pomponet - 18 de maio de 2018 | 11h 50
Situação da economia volta a assustar

O Brasil voltou a flertar com a desaceleração econômica. É o que sinaliza a prévia do Produto Interno Bruto – PIB divulgada pelo Banco Central, o BC, essa semana. Março foi um mês desfavorável: a queda, em relação ao mês anterior, fevereiro, foi de 0,74% e, na comparação com o mesmo mês de 2017, o declínio foi menos intenso: 0,66%. Analistas estimavam retração bem mais modesta: apenas 0,1%. Isso vai impactar sobre a mesma prévia do PIB: queda de 0,13% em relação ao trimestre anterior.

A divulgação dos números levou os analistas a refazerem seus cálculos sobre o PIB de 2018. Antes, as projeções apontavam para um crescimento em torno de 3%. Depois da divulgação dos dados nada alvissareiros referentes ao primeiro trimestre, a expectativa caiu para algo perto de 2,5%. Diversos fatores ajudam a explicar essa retração.

Sob a perspectiva estritamente econômica, o desemprego elevado impede o aquecimento da demanda interna, freando a retomada. Os juros caíram, mas, sem trabalho, o brasileiro não se anima a consumir. A informalidade, a compressão salarial – inclusive no setor público – e as incertezas decorrentes da tresloucada reforma trabalhista, que desestimulam as contratações, são explicações adicionais.

A variável psicológica – as expectativas – seguramente influi nos indicadores. É que, acossado pelo renitente noticiário sobre o descalabro econômico há anos, o cidadão teme comprometer a poupança módica, ou enredar-se em dívidas. E, pelo que enxerga no noticiário, o futuro segue pouco promissor. Salvo, é claro, na propaganda oficial.

Eleições

Outro fator de instabilidade são as eleições presidenciais. Até aqui, a sucessão oferece um empolgante roteiro cinematográfico: dezenas de candidaturas, o líder nas pesquisas condenado e preso, o segundo colocado entusiasta do regime militar e dezenas de legendas barganhando, mercadejando, farejando o melhor negócio. O que menos se ouve são propostas para remover o país do atoleiro.

O que pensam os candidatos sobre a reforma da Previdência? Os doidivanas que defendem o “Estado mínimo” tem alguma proposta de reforma? Ou vão tocar o governo com o mesmo modus operandi de Michel Temer, o mandatário de Tietê? E o descalabro fiscal? Como, quando e de que forma será feito o ajuste? Se existem respostas a essas questões, seguem guardadas em completo sigilo.

Enquanto isso o brasileiro se vira: torna-se microempresário – eufemismo para camelô ou ambulante –, garante o dinheiro do pão fazendo biscate, arranja emprego com salário mais baixo ou amarga seu infortúnio entregando currículo, comparecendo a entrevista, esperando nas filas dos serviços de intermediação de mão de obra.

Empolgante, hoje, só a propaganda do governo, os anúncios oficiais, as solenidades nas quais se descrevem futuros radiosos, os números controversos compilados em textos entusiasmados. A prévia do PIB, porém, está aí, desmentindo a conversa fiada, a empulhação persistente. Não há dúvidas que a economia cambaleia e que os discursos são incapazes de sustentá-la de pé, mantê-la ereta.

O fato é que os desafios para a retomada da economia seguem colocados.



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje