Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quinta, 15 de novembro de 2018

Brasil

Associações dizem que é impraticável cumprir cotas para presidiários em empresas

27 de julho de 2018 | 17h 23
Associações dizem que é impraticável cumprir cotas para presidiários em empresas
Foto: Pedro Ventura/ Agência Brasília
Associações que representam os setores da construção e de serviços apontam que terão problemas para cumprir a cota de trabalhadores presidiários ou egressos, segundo a Folha de S. Paulo. Uma lei publicada nesta quarta-feira (25) estipula que empresas com contratos de ao menos R$ 330 mil junto ao governo ou autarquias federais precisam ter de 3% a 6% da mão de obra formada por profissionais com esse perfil.
 
Segundo o presidente da Confederação Nacional dos Serviços, Luigi Nese, as empresas já têm dificuldades para cumprir cotas de deficientes e aprendizes, e devem ter problemas também no caso de presidiários e egressos. "Encontrar profissionais qualificados nessa condição será impraticável", declarou à Folha de S. Paulo.
 
Para José Carlos Martins, da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), é difícil encontrar presidiários que preencham as qualificações necessárias para o trabalho na construção civil. "Meu setor tem demitido gente nos últimos anos. Querem me dizer que tenho que mandar embora 6% do meu contingente para inserir essas pessoas? Isso não vai ficar de pé em hipótese nenhuma", argumentou.


Brasil LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje