Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quarta, 26 de setembro de 2018

César Oliveira

Gritemos, antes que sejamos mortos

Cesar Oliveira - 17 de agosto de 2018 | 15h 43
Gritemos, antes que sejamos mortos
Mapa da Violência
O Brasil atingiu o recorde de 65.517 mortes violentas, segundo o Mapa da Violência, de 2018. Um genocídio. Mata-se por pouco e morre-se por nada, em média, 153 pessoas por dia. Somos todos vítimas potenciais, e contamos com a sorte cotidiana para enfrentar a roleta russa diária, das mais diversas formas de agressões.
 
De tanta violência, e casos aberrantes, estamos desenvolvendo técnicas de sobrevivência, que vai de segurança armada, grades, cercas elétricas, carros blindados, horários de circulação, até simples oração, entre os que têm menos recursos. E, assim, perdemos o sono, enquanto os filhos não chegam, à noite, evitamos ruas escuras, andamos correndo e vigilantes, evitamos lugares vazios, saímos de qualquer lugar para entrar no carro com a agilidade de um atleta e o olhar desconfiado de um espião, tentamos evitar rotinas, e muitos, com mais recursos, sequer podem desfrutar do patrimônio que possuem. Vivemos em estado de alerta constante, de sobressalto, pela permanente ameaça.
 
Ano após ano, os números vão se agravando, mas além da dureza dos dados, e dos milhares que choram seus mortos- mais de 55% são jovens-, o que impressiona, é a passividade com que somos abatidos e a indiferença com que somos tratados por nossas autoridades. Nós não reagimos, não cobramos dos agentes do poder nenhuma ação, nenhuma resposta efetiva. Dia após dia, debatemos com ferocidade questões como banheiro trans, como se isso fosse mais letal do que as balas que nos atingem. Fingimos não serem os governantes, os responsáveis, e eles fingem não ter nada com isso.
 
Estamos diante de uma emergência nacional. As facções criminosas estão arregimentando milhares de presos, expandindo-se, nos levando a uma taxa de morte por cem mil habitantes que é 30 vezes maior do que na Europa; a um país que não produz drogas, mas que é um dos maiores exportadores. E ninguém, absolutamente ninguém- nem Executivo, Legislativo, ou Judiciário- propõem nenhuma ação.
 
Não é possível termos um Congresso calado e omisso, um Judiciário que se dedica ao ativismo ideológico e comportamental, e relativiza seu papel nesse tema, e um Executivo ocupado em lotear o poder e as verbas enquanto nós, que pagamos elevados impostos vivemos o inferno da insegurança.
 
Não é possível que não se organize um plano de segurança nacional, que não se crie forças-tarefas coletivas das instituições envolvidas com a questão, que o dinheiro ilegal circule com uma liberdade que a Receita Federal não permite a quem esquece um recibo de dentista, que não se intervenha no sistema policial e no carcerário para mudar sua lógica, que nosso sistema de fronteira seja uma peneira sem lei, que não se busque reunir especialistas, contratar consultorias, de quem teve experiências exitosas. Desse ponto de vista, as Unidades Pacificadoras e a intervenção federal, no Rio, foram, ao menos, tentativas. É preciso analisar o que deu certo e errado, nessas experiências, e criar um projeto de ação nacional, com as múltiplas intervenções necessárias. A única opção que não é possível é manter o amofinamento e a omissão atual, enquanto as pessoas vão sendo mortas e seu patrimônio dilapidado.
 
Não temos de viver sob o império do medo. Nós temos que gritar, nós temos de exigir, nós não podemos continuar a sermos mortos sob a cumplicidade imoral, antiética, e incompetente, de nossos Três Poderes. Vamos gritar juntos


César Oliveira LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje