Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quarta, 26 de setembro de 2018

André Pomponet

O fiasco da intervenção federal no Rio e das soluções pela força

André Pomponet - 27 de agosto de 2018 | 18h 22
O fiasco da intervenção federal no Rio e das soluções pela força

Três militares morreram no início da semana passada em uma operação da intervenção federal no Rio de Janeiro. A ação ocorreu em um complexo de favelas na zona norte, mas o episódio repercutiu em outras regiões da cidade. Na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), militares montavam guarda na Estação do BRT, exatamente em frente à instituição. Portavam fuzis e perscrutavam com olhares assustados os arredores. Afinal, no início da tarde, um ônibus foi incendiado por ordem de traficantes. Mesmo com todo o aparato, o caos permanece, imperturbável.

Uma pesquisa recente indicou que 59% da população carioca julga que a intervenção – festejada com arroubos impudentes por seus artífices, em fevereiro – tornou-se inócua. A percepção é compreensível: tiroteios, mortes e pânico seguem frequentes, maculando a indescritível beleza dos dias ensolarados de inverno na afamada Cidade Maravilhosa. Na segunda-feira (20), em Niterói, morreram seis em um confronto que interrompeu o trânsito pela ponte que liga o município metropolitano à capital.

Assim, prossegue o espetáculo da exibição de força. Quem chega à cidade pela Avenida Brasil e circula pelos bairros da zona norte fica impressionado com o aparato. Viaturas da Polícia Militar nas esquinas, de prontidão, com o giroflexes ligado e portas abertas; caminhões do Exército circulando, num ir e vir incessante; guardas municipais circulando pelo fervilhante centro da cidade. E, aqui ou ali, viaturas se deslocando com sirenes estridentes.

Contrastando com o exuberante aparato da Segurança Pública, há a miséria e a exclusão. Ao longo do canteiro da Avenida Brasil, magotes de desafortunados fumam maconha, consomem pedras de crack ou bebem aguardente em vasilhames plásticos; muitos se abrigam em tendas improvisadas com plástico, papelão, lona e bastões de madeira; vários circulam indiferentes ao trânsito vertiginoso; outros se aventuram pelas movimentadas artérias que conectam a via com as intermináveis favelas.

Nas praças do centro da cidade, à frente das antigas e solenes igrejas católicas, agrupam-se mendigos, moradores de rua e consumidores de drogas, abrigados nas mesmas tendas precárias, consumindo sobras de comida, entornando cachaça para suportar aguentar o rojão e esperando sabe-se lá o quê mais adiante, na vida. São muitos – milhares, certamente – mas sobre esses não existe nenhuma palavra. Amedrontam e repugnam o cidadão pacífico que vai para suas ocupações.

Na zona sul – palco dos badalados bairros da gente abastada – militares jovens circulam em jipes abertos, portando sofisticados fuzis manejados com pouca intimidade. A encenação parece mais dedicada a transmitir a exaltada sensação de segurança – confortando a elite residente nas cercanias – que, propriamente, a se traduzir em qualquer medida mais efetiva de segurança.

Esse é o contraste dilacerante que caracteriza o Brasil atualmente – não apenas o Rio de Janeiro – e que, pelo jeito, vai seguir se perpetuando pelos próximos anos, pois é o que sinaliza o debate eleitoral. De um lado, o discurso da força, do aparato de segurança, da violência oficial para conter a violência endêmica; do outro lado, a pobreza, a miséria e a indigência que vai se ampliando a partir da crise econômica.  O que une os dois enredos? A crença de que, para pobre, reserva-se munição, não ações civilizatórias de inclusão social.

É claro que isso não vai conduzir a um futuro melhor. Não é questão de fé, confiança, otimismo, credulidade em improváveis milagres: é questão de sensatez. A intervenção federal no Rio de Janeiro não passou de empulhação para tentar alavancar a natimorta recandidatura presidencial de Michel Temer (MDB-SP), o mandatário de Tietê. Mas, apesar do fiasco, a disposição beligerante segue acesa, noutras candidaturas.

Para êxtase da indústria das armas, que faz da morte um negócio altamente lucrativo.



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje