Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quinta, 15 de novembro de 2018

Valdomiro Silva

Cruzeiro despacha Corinthians e se mantem maior vencedor da Copa do Brasil

18 de outubro de 2018 | 00h 03
Cruzeiro despacha Corinthians e se mantem maior vencedor da Copa do Brasil
O momento de maior emoção da final da Copa do Brasil, no 3x1 frente ao Corinthians esta noite de quarta-feira, em São  Paulo, ao menos em campo, foi o gol anulado do meia Pedrinho, do frustrado time da casa, um lindo chute de fora da área. Seria gol de virada (a partida estava empatada em 1x1), que poderia levar a decisão para os pênaltis.
 
O arbitro deu gol, a torcida enlouqueceu, Pedrinho comemorou. Mas o VAR mostrou Jadson acertando o peito do zagueiro Dedé com um tapa. Uma bobagem do corinthiano, pois o zagueiro já havia cortado a bola. Não fosse esse erro infantil do meia, o golaço de Pedrinho teria sido validado.
 
Pedrinho no banco, aliás (ele entrou no segundo tempo) é um pecado. Ele é o mais criativo, e talvez o único, desse pobre elenco do time paulista.
 
O Cruzeiro saiu na frente com um gol de Robinho aproveitando falha bizarra de um volante do time paulista, no primeiro tempo.
 
Jadson, que praticamente só fez isto em campo, empatou no início da segunda etapa, em penalidade não existente Tiago Neves não atingiu Ralf, que provocou o choque para confundir a arbitragem. E conseguiu. Por incrível que pareça, nem o VAR salvou o arbitro do erro.
 
No jogo de maior público da história da Arena Corinthians, mais de 46 mil pagantes e a incrível renda superior a R$ 5 milhões, o gol decisivo foi do uruguaio Arrascaeta, cuja presença em campo custou 60 mil reais, uma viagem de 25 horas, em primeira classe, do Japão a São Paulo, onde atuou por sua seleção um dia antes.
 
Com uma finalização de classe, a cavadinha, encobriu Cássio e fez 2x1 em um momento que o Corinthians buscava no desespero a virada. A fatura estava liquidada.
 
Time que até o início dos anos 2000 não tinha um título nacional sequer, a Raposa chega a sua sexta Copa do Brasil - já detém três troféus da Série A. Merecidamente. É bem mais time que o seu adversário desta noite. Está garantido na Libertadores do ano que vem, vaga que não atingiria em sua campanha ruim no Brasileirão. 
 
O Corinthians, em 2019, deve se contentar com a Sul-americana e olhe lá. Por enquanto luta mais por se manter na primeira divisão apenas.


Valdomiro Silva LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje