Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, terça, 22 de outubro de 2019

André Pomponet

Novo ato pela Educação na sexta-feira (20)

André Pomponet - 18 de setembro de 2019 | 12h 38
Novo ato pela Educação na sexta-feira (20)

Na próxima sexta-feira (20) haverá mais uma greve geral na Educação contra o governo de Jair Bolsonaro (PSL-RJ), o “mito”, segundo seus acólitos. As manifestações se sucedem desde o primeiro semestre do ano. Ganharam muita musculatura entre maio e junho – quando, basicamente, eram os estudantes que estavam à frente – mas perderam força à medida que o “Lula Livre” foi sendo imposto pelo petismo. Mas, como o descalabro não concede trégua, razões para ir às ruas não faltam.

O ato vem logo depois da “Semana da Pátria” – uma patética tentativa do “mito” de botar sua turma na rua trajando verde e amarelo – o que resultou num fiasco. Numa licença de trabalho, pude acompanhar o 7 de Setembro em São Paulo: nos metrôs, nos badalados bares da Vila Madalena, no elegante bairro de Pinheiros – recantos da turba que, iracunda, babava pelo impeachment – não havia nenhum patriota empedernido.

Pelo contrário: alguns ostentavam camisetas com uma provocação jocosa: “Eu avisei”. Noutras, havia uma bizarra caricatura do “mito”. Há pouco tempo essa gente correria o risco de ser trucidada pelos punhos patrióticos de trogloditas ensandecidos. A reforma da Previdência, porém, amofinou-os: pelo jeito, parecem agora mais dispostos a poupar energia para trabalhar muitos anos a mais até a aposentadoria.

Aqueles entusiasmados bate-papos contra a corrupção, contra os políticos, aquele afã para consertar a sociedade, aqueles olhos injetados de indignação são coisa do passado. Naqueles botequins paulistanos freqüentados pela classes média a política foi varrida dos debates: melhor tratar da Seleção Brasileira que não entusiasma, dos times que se acotovelam tentando o título brasileiro, que remexer o fétido noticiário político.

Na “Semana da Pátria” os apelos ao consumo em verde-e-amarelo na publicidade das tevês, as entusiasmadas previsões de aumento nas vendas no período, as ofertas dos bancos oficiais enviadas por aplicativo de celular, a incessante exaltação dos símbolos pátrios foram sufocantes.  Só que a pressão incessante, pelo visto, foi inócua, lembrando muito os tormentosos anos da ditadura militar.

Caso haja muita gente na rua na sexta-feira, voltam as pressões sobre o “mito” e seu desastroso governo. Caso a oposição siga fragmentada, se bicando por bagatela – hábito antigo resgatado desde a última eleição – o “mito” terá margem para nova fornada de declarações descabidas, de medidas desastrosas, do caos que o impulsiona. É nula, portanto, a chance de que as coisas melhorem no médio prazo.

Só que as fissuras vão se acumulando entre os devotos do “mito”. Cisões entre os lavajatistas – aqueles intrépidos combatentes da corrupção – e os que veneram o “messias” sob qualquer circunstância debutam na imprensa. Era previsível: desatentos, muitos não perceberam que o “mito” surfou na onda da indignação para colocar de pé um projeto pessoal, no máximo familiar. Talvez a partir daqui tudo fique mais claro.

Os próximos atos podem marcar o recrudescimento dos movimentos de rua, pois há acólitos do “mito” também convocando manifestações. No momento, não parece provável que os movimentos se encorpem. As sucessivas botinadas do “mito”, porém, lançam dúvidas.



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje