Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, terça, 22 de outubro de 2019

André Pomponet

O fulgurante Shopping da Cidade em Teresina

André Pomponet - 03 de outubro de 2019 | 12h 36
O fulgurante Shopping da Cidade em Teresina

Em Teresina existe um imponente Shopping da Cidade. É um centro de comércio popular no qual se mercadeja, sobretudo, produtos importados da China. Dispõe de três pisos, praças, dezenas de corredores e quase dois mil boxes que abrigam uma variedade ampla de produtos. Fica muito bem localizado, na Praça da Bandeira, que abriga um terminal de ônibus e uma estação de trem. Basta atravessar a avenida Maranhão para se alcançar a orla do rio Parnaíba, encoberto por uma vegetação densa.

Caso pretenda visitar o entreposto, o turista desatento não vai enfrentar dificuldade: qualquer cidadão indica – com a amabilidade habitual do piauiense – a localização. Sob as árvores altas e esguias da Praça da Bandeira o visitante pressente a lufa-lufa habitual de centros comerciais do gênero. Do lado do Shopping da Cidade fica a estação do VLT, inaugurada recentemente, que conecta o centro à periferia da capital.

Quem está acostumado a frequentar centros de comércio popular – sobretudo em capitais como São Paulo ou Rio de Janeiro – não se surpreende. A lógica dos boxes é similar, boa parte dos produtos é idêntica e até mesmo a disposição das mercadorias nos mostruários é parecida. Naquele circuito, quase tudo é importado da China. É ocioso apontar que até os preços oscilam em faixas semelhantes.

Quem deseja fazer um lanche nos intervalos das compras encontra as mesmas chapas que fritam hambúrgueres e idênticos carrinhos de cachorro-quente, visíveis em tantos lugares. Variedade só nos pratos-feitos apregoados na praça de alimentação. Uma refeição gordurosa qualquer sai por cerca de dez reais, às vezes menos.

Várias opções

Prestando atenção o visitante descobre até que muita gente do interior do Piauí e do vizinho estado do Maranhão – Teresina fica exatamente na fronteira com este estado – acorre ao entreposto, inclusive aos sábados. Vão em busca de preços atraentes para produtos de que necessitam. Alguns percorrem dezenas de quilômetros para comprar mais barato.

As opções são incontáveis: confecções variadas, eletro-eletrônicos, acessórios para celular, calçados, doces típicos do Piauí – o de buruti, em barra, se sobressai pela cor – e, até mesmo, artigos eróticos. A afamada cajuína, obviamente, também está disponível por lá, com sua consagrada coloração cristalina.

A Prefeitura de Teresina faz ampla propaganda do entreposto, associado ao dinamismo mercantil do centro da capital. Aquela gente, até 2009, trabalhava pelas ruas. Os problemas de segurança e mobilidade exigiam a intervenção, segundo o discurso oficial. Alega-se, hoje, que os permissionários estão satisfeitos. Matérias disponíveis na internet mostram trabalhadores satisfeitos com a mudança.

O entreposto é administrado pelo Instituto de Negócios do Piauí. Fiz algumas buscas na internet, mas não consegui maiores informações sobre o modelo de gestão do espaço. Também não descobri quanto pagam os permissionários.

Mercado de São José

Lá perto – na mesma Praça da Bandeira –, quase contíguo, está o imponente Mercado de São José, relíquia arquitetônica do século XIX. Parte do entreposto foi reformada, exatamente aonde se vende o rico artesanato local. Pelos corredores, caprichados artigos de palha contracenam com incontáveis imagens de santos – Santo Antônio, Santo Expedito, Nossa Senhora do Amparo, padroeira de Teresina – esculpidos em madeira. Pelos corredores tranquilos, o visitante respira, com mais intensidade, a pulsante cultura piauiense.

A parte anexa do mercado, porém, não foi recuperada. É a ala em que se vendem cereais, carnes, condimentos, artigos diversos. Tem ar de feira-livre. Lá, o teto, escuro e sujo, as paredes manchadas, encardidas, e o piso, de cimento crespo, muito desgastado pelo uso, atestam o abandono. Mas há outras deficiências em volta.

Numa rua lateral ao mercado, amontoam-se bancas de madeira que mercadejam frutas, verduras, legumes, ovos. É difícil transitar pelos corredores exíguos, evitar as poças de água, não embaraçar-se nos consumidores que passam incessantemente. Há tempos a prefeitura promete solução para aquilo. Mas, até agora nada.

Mesmo numa visita casual o feirense não deixa de encontrar semelhanças com a situação do prometido reordenamento do centro da Feira de Santana. E, nessa trama uma questão sempre avulta, candente: o que vai ser feito do Centro de Abastecimento da maltratada Princesa do Sertão? Isso para não mencionar os protestos dos camelôs, que seguem em sua saga pelo centro da cidade...



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje