Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quinta, 24 de setembro de 2020

Segurança

Pais suspeitos de esquartejar filha de 6 meses são indiciados e têm prisão convertida em MT

11 de fevereiro de 2020 | 14h 39
Pais suspeitos de esquartejar filha de 6 meses são indiciados e têm prisão convertida em MT
Foto: Reprodução
Os pais da bebê de 6 meses que foi esquartejada e jogada em um poço, em Tabaporã (MT), foram indiciados e tiveram a prisão temporária convertida em preventiva. O inquérito, conduzido pelo delegado de Tabaporã, Albertino Félix de Brito, foi encaminhado ao Fórum da Comarca Municipal na última quinta-feira (6).
 
De acordo com a Polícia Civil, Tiago Silva Lacerda e Raquel Araújo Dias devem responder por homicídio qualificado, maus-tratos, destruição e ocultação de cadáver.
 
O casal está preso em Jataí (GO) e aguarda transferência para Mato Grosso.
 
O crime, segundo a polícia, ocorreu no dia 27 de dezembro. Testemunhas disseram ter visto os suspeitos perto do Rio Sereno, em Tabaporã, com um carrinho de bebê.
 
Depois, eles foram vistos sozinhos, sem a criança e sem o carrinho. Mais tarde, Tiago e Raquel foram flagrados pedindo carona na estrada. O carrinho da criança foi encontrado às margens do rio.
 
Já o casal foi localizado em Jataí (GO). A polícia informou que eles confessaram o crime e indicaram o local onde enterraram partes do corpo da filha.
 
Com a ajuda de um cão farejador do Corpo de Bombeiros, foram encontradas três partes do corpo da bebê. As duas primeiras foram dias após o crime dentro do poço.
 
A terceira parte, que seria o crânio da vítima, foi encontrada no dia 16 de janeiro após os bombeiros esvaziarem o poço.
 
A bebê morava com a família em Tabaporã e, segundo o Conselho Tutelar, os pais já haviam sido denunciados por maus-tratos.
 
De acordo com as investigações, a primeira agressão ocorreu quando a criança tinha 28 dias de vida.
 
Segundo o Conselho, a menina chegou a morar em um abrigo da cidade aos 3 meses de vida. No entanto, os pais entraram na Justiça e conseguiram ficar com a guarda da filha.
 
O Conselho Tutelar afirmou que fazia visitas periódicas na casa da família.
 
Vizinhos denunciaram os pais novamente em janeiro. Eles afirmaram que a casa onde a família morava estava abandonada.
 
Logo depois da denúncia, a equipe da Polícia Civil de Tabaporã iniciou as investigações, identificando testemunhas que contribuíram com informações sobre o caso.


Segurança LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje