Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, segunda, 01 de junho de 2020

Esporte

São Paulo vai cortar metade dos salários dos jogadores, mesmo sem acordo com eles

03 de abril de 2020 | 15h 16
São Paulo vai cortar metade dos salários dos jogadores, mesmo sem acordo com eles
Foto: Reprodução
O São Paulo não conseguiu o acordo com os jogadores para a proposta de redução salarial de 50% durante a paralisação do coronavírus. A ideia era devolver os 50% retirados em cinco parcelas mensais, depois da retomada do futebol. Apesar de os jogadores não terem aceitado o corte, ele acontecerá de qualquer maneira, pela dificuldade financeira são-paulina.
 
No ano passado, o déficit do clube foi de R$ 150 milhões, em torno de 35% da receita anual. Além disso, não houve ainda proposta de renovação de contrato dos patrocinadores de camisa, o Banco Inter e a MRV, ambas do grupo do empresário Rubens Menin. A política interna do São Paulo e as ameaças de impeachment do final do ano passado criaram mal estar na empresa.
 
Os contratos terminam no final de abril e ainda não houve sinalização para a renovação. Isso deve provocar perda de R$ 1,7 milhão mensais. Uma fonte no departamento financeiro são-paulino afirmou, sobre a recusa dos jogadores em assinar o acordo: "Desculpe, eles não aceitaram, mas vai ser assim. Não tem o que fazer diferente. Mesmo os clubes que estão dizendo que vão tentar pagar normalmente depois das férias coletivas, como o Palmeiras, terão muita dificuldade, porque vai faltar dinheiro."
 
No Palmeiras, ainda se espera que a Crefisa pague integralmente o contrato de patrocínio. O empresário José Roberto Lamacchia não descartou que seja diferente, mas não houve ainda sinalização de que o pagamento será menor do que o combinado. No São Paulo, também há expectativa de que o fornecedor de material esportivo prorrogue pagamentos para quando o futebol retornar às atividades normais.
 
A tentativa de acordo foi conduzida por Raí e Alexandre Pássaro e aceita pelos principais líderes do elenco são-paulino, como Daniel Alves, Tiago Volpi, Hernanes, Pablo e Pato. O baixo clero não aceitou, mas terá os cortes de salários pela falta de condição financeira para fazer o pagamento.
 
Depois de Atlético Mineiro, Fortaleza e Ceará terem se acertado com seus elencos, a admissão de que o São Paulo não poderá pagar é o primeiro grande sinal de que a crise financeira já atacou os gigantes.


Esporte LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje