Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, segunda, 01 de junho de 2020

César Oliveira

Agradecimento aos colegas da Saúde

César Oliveira - 06 de abril de 2020 | 15h 51
Agradecimento aos  colegas da Saúde
Foto: Paolo Miranda, enfermeiro na Itália

Somos pais, somos filhos, somos irmãos, somos família. Somos humanos como todos os outros. E temos receios e encargos, mas escolhemos por conta própria o nosso ofício e arcaremos com seu peso. Tememos voltar para casa e levar a doença aos que amamos- esse fio que nos faz lutar sem desabar-, e muitos de nós isolaram os seus de si próprio, pois, vivem o dilema de serem uma ameaça e optaram por tomar distância como se fosse a bênção e proteção.

Vivemos dias de extrema tensão em cada espera, atendimento, ou intervenção, na eterna angústia de uma falha na barreira que nos contamine e nos tire do cenário de luta, desfalcando o que já está em falta. Ou que coloque nossa própria vida em risco, pois, também somos frágeis, temos doenças crônicas, e nem sempre somos jovens.

Talvez, talvez, nada é certeza, nossa carga viral recebida seja maior. O que é certo é que 10 a 20% dos infectados nos diversos países são médicos, de modo geral trabalhando em situação precária, sem o material de proteção necessária, sem testes, em uma exposição violenta, irresponsável e letal por parte dos governos.

Na falta, os médicos improvisarão- aqui no Brasil, sempre vivemos essa dolorosa realidade-, em um programa de saúde pública sem financiamento adequado, tentando ser o oxigênio do sistema, mesmo que isso seja um risco, e seja seus pulmões que se recusem a respirar.

Caso isso aconteça teremos medo do isolamento e da solidão final que essa doença nos traz, da interrupção dos sonhos, do dilaceramento familiar. Afinal, somos humanos, somos família, somos pais, somos filhos, e temos um inventário de afetos a serem vividos, mas confiaremos no cuidado do outro, porque é estreita a margem que nos separa.

Já aconteceu, e talvez até alguns de nós não veja o fim da pandemia, mas temos a certeza que cada um está cumprido seu dever, sem recusas, como Quixotes sem armas lutando com o moinho de vento invisível desse vírus. Por isso, reverencio, agradeço, e homenageio, a cada um dos colegas e das equipes multidisciplinares porque estão sendo o que só eles podem ser: esperança.



César Oliveira LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje