Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, domingo, 18 de novembro de 2018

Saúde

Bebê em estado grave espera vaga para cirurgia no estado

JULIANA VITAL - 04 de fevereiro de 2015 | 10h 43

O recém nascido está em uma UTI no Hospital da Mulher

Bebê em estado grave espera vaga para cirurgia no estado
Nem com intervenção do Ministério Público, problema se resolveu

O bebê Paulo Vitor nascimento está internado na UTI neonatal  do Hospital da Mulher há 42 dias.  Ele nasceu com um grave problema cardíaco e precisa passar por uma cirurgia de alta complexidade para sobreviver. Como ela não é feita em Feira, o Hospital da Mulher tenta a transferência para o hospital Ana Nery em Salvador, mas a secretaria de saúde do estado informa que não há vaga na unidade.  Desde que o problema foi diagnosticado, há cerca de um mês, o hospital já tentou a transferência 35 vezes. 

A família e o hospital acionaram o Ministério Público que abriu uma ação civil sobre o caso e estendeu a solicitação de vaga para a lista de regulação nacional. “Estamos fazendo tudo que é possível pela vida desta criança. Ela está sendo acompanhada por um cardiologista pediátrico e estamos enviando relatórios médicos diariamente que constatam a necessidade urgente desta cirurgia”, afirma Gilberte Lucas, diretora da Fundação hospitalar.

De acordo com o médico Luciano Braz, o bebê se encontra monitorado e medicado mas precisa com urgência desta cirurgia, tanto pela gravidade do problema como pelos riscos de contrair infecções e pelo tempo de uso do medicamento que não pode ser estendido. Enquanto espera no Hospital da Mulher, ele ocupa a vaga de UTI neonatal. “O bebê aguarda em unidade de neonatologia, quando na verdade deveria esperar pela cirurgia em uma unidade de pediatria. Mas também não conseguimos vaga e estamos aguardando”, salienta o médico.

A mãe, Sandra Nascimento,  só descobriu o problema quando teve o bebê no hospital. Muito abalada e preocupada, ela afirma que desde então tem tentado de tudo para salvar a vida do filho. “Descobri quando ele nasceu e desde que o hospital me falou eu procurei de tudo para tentar conseguir que ele faça a cirurgia. Já procurei o Ministério Público e espero que meu filho consiga fazer a cirurgia”, comenta.

Em nota a Sesab informou que de acordo com orientação médica, o recém nascido  não tem condições de realizar procedimento cirúrgico no momento. Quando questionada por email sobre a falta de vaga e também sobre o fato da criança esperar ocupando um leito de UTI neonatal e não pediátrico, a Sesab não respondeu.



Saúde LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje