Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quinta, 04 de junho de 2020

André Pomponet

Comércio feirense fecha mais uma vez

André Pomponet - 18 de maio de 2020 | 21h 23
Comércio feirense fecha mais uma vez
Saiu há pouco o decreto da Prefeitura determinando o fechamento do comércio feirense a partir de quinta-feira (21). A medida vai se estender até o dia 01 de junho. Há exceções, evidentemente: supermercados, açougues, padarias, farmácias, postos de combustíveis e lojas de autopeças. O essencial e mais alguns setores. Tudo indicava que a medida ia se tornar necessária mais uma vez: os casos de Covid-19 começaram a crescer na Feira de Santana de maneira consistente desde o decreto de reabertura, em 21 de abril. Naquela ocasião criticamos a medida: o abre-e-fecha – tudo sinalizava para novo fechamento mais adiante – poderia ser mais nocivo ao comércio que um fechamento mais longo, mas que freasse o avanço do novo coronavírus. Mas, contrariando protocolos adotados em lugares que enfrentaram com sucesso a pandemia, a Feira de Santana trilhou caminho diverso. Agora, dá meia-volta. É bom ressaltar que as medidas mais duras são necessárias. Descontando os impenitentes acólitos de Jair Bolsonaro, o “mito” – há fanáticos que parecem dispostos a morrer só para demonstrar crença cega –, ninguém está disposto a agonizar até a morte num corredor de hospital. Daí a aceitação da população às medidas restritivas, apesar dos inegáveis prejuízos econômicos. Será que o comércio vendeu bem nesses dias de abertura? É uma indagação interessante para os lojistas feirenses. Aposto que o movimento foi bem abaixo do normal. Afinal, as pessoas estão temerosas de se expor ao Covid-19. Melhor, então, aguardar que a pandemia decline para voltar a comprar com segurança. O risco do abre-e-fecha reside justamente aí: fecha, abre, vende pouco, fecha, depois abre e vende pouco e lá adiante fecha novamente e assim vai. Na prática, qual o efeito? Retardar o fim da pandemia e estrangular a atividade econômica. Projeções sofisticadas de renomados economistas mundo afora sinalizam nessa direção. Intuitivamente, aliás, nem precisa ser economista para perceber isso. Basta um pouco de atenção e inteligência. Inteligência que, aliás, anda escassa no Planalto Central, mas... deixa pra lá. Pensar demais na economia, a propósito, é até uma afronta à memória de quem já morreu com o novo coronavírus. E indica pouca preocupação com quem, infelizmente, ainda vai morrer. É óbvio que ninguém fica feliz com a economia parada e as pessoas em casa. É visível também que o isolamento vem cansando as pessoas que o respeitam. Mas, como não existe vacina – a panaceia da cloroquina é delírio de um magote de malucos – a única solução, no momento, é essa. Qualquer outra proposta é pulsão genocida. Lá adiante, quando os riscos declinarem, os brasileiros voltarão com a gana habitual para o trabalho. Na Feira de Santana isso não será diferente. Mesmo que, até lá, os desvairados em Brasília permaneçam atrapalhando...


André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje