Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, segunda, 10 de agosto de 2020

César Oliveira

Aras, a Lava-Jato e o Coração das Trevas

César Oliveira - 30 de julho de 2020 | 17h 35
Aras, a Lava-Jato e o Coração das Trevas

Uma das maiores repulsas da sociedade brasileira sempre foi o patrimonialismo, a corrupção que devastava o país desde sua descoberta, sem nenhuma punição, em um consórcio que unia empresários insaciados, políticos oportunistas, e uma Justiça leniente.  Esse cansaço, exacerbado pelos anos do projeto de poder sustentado pela corrupção que o PT e associados elevaram ao estado da arte, acabou por levar Bolsonaro a sua eleição. O eterno compadrio só foi modificado pelo juiz Sérgio Moro e a Lava-Jato, que obtiveram resultados espetaculares com a recuperação de recursos, prisão de vários políticos e empresários que jamais sonharíamos em ver na cadeia.

Em tese, essa operação deveria ser um orgulho nacional- como é mundial-, mas aqui tem despertado muitas forças de oposição que desejam manter as imorais regras do jogo.. Com a entrada do Centrão, no governo, o afastamento de Moro, a não aprovação da prisão em segunda instância, e do fim do foro privilegiado, o compromisso de campanha e a esperança nacional de avanços vão ficando cada vez mais distantes de serem cumpridos.

Uma das maneiras de inibir a Lava-jato está sendo conduzida pelo atual Procurador Geral da República, Augusto Aras, escolhido por Bolsonaro, fora da lista tríplice. Usando o sofisma de corrigir excessos, ele fez sérias acusações aos Procuradores- sem exibir nenhuma prova-, requisitou todos os dados para si e baixou uma portaria que lhe permite acessar o formidável banco de dados de todas as operações da Lava-Jato, no país. Aras faz isso sem o pudor de desmerecer, desqualificar, os colegas e a própria instituição a qual pertence. Caso quisesse corrigir rumos operacionais- o que deve ser feito e seria natural- o faria administrativamente, e não com o agressivo discurso que tem exibido contra a Lava-Jato e que coloca em risco os seus resultados.

Assim, o PGR vai se tornando uma força contrária ao que o país deseja e faz um agrado ao governo Bolsonaro, cada vez mais recheado de denunciados da Lava-Jato. Tudo poderia ser um erro de interpretação se o próprio PGR não tivesse produzido uma dessas frases bestiais que escapam e sintetizam com clareza luminar os fatos:“esse conceito lavajatismo há de ser superado pelo naturalbom e antigo enfrentamento à corrupção"

O natural, bom e antigo enfrentamento à corrupção, gerou apenas 500 anos de impunidade. Só consigo me lembrar das últimas palavras de Kurtz, agonizante dentro do barco de Marlow, no Congo, em Coração das Trevas, o monumental livro de Joseph Conrad: "O Horror! O Horror”.



César Oliveira LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje