Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, segunda, 30 de novembro de 2020

Política

Em vez de aumentar, Orçamento para Agricultura em Feira reduziu 37,5% em oito anos, aponta vereador

29 de outubro de 2020 | 12h 45
Em vez de aumentar, Orçamento para Agricultura em Feira reduziu 37,5% em oito anos, aponta vereador

Os recursos previstos na Lei Orçamentária Anual, da Prefeitura de Feira de Santana, para a Secretaria de Agricultura, Recursos Hídricos e Desenvolvimento Rural, vem sendo reduzidos, ao longo dos últimos anos, aponta o vereador Alberto Nery (PT).

Em pronunciamento durante a discussão do Projeto de Lei do Orçamento Municipal, esta semana na Câmara, ele disse que fez uma análise sobre as verbas destinadas para essa pasta, considerada estratégica, verificando que caiu  de R$ 8 milhões, valor da época em  que chegou à Casa, oito anos  atrás, para os R$ 5 milhões estimados na peça orçamentária de 2021. A queda corresponde a 37,5 por cento.

O petista entende que os números "não deixam dúvida quanto ao desinteresse das últimas gestões (ex-prefeito José Ronaldo e o atual, Colbert Martins Filho) pela população da zona rural, especialmente os que vivem da agricultura familiar, pois em vez de aumentar os repasses, fizeram foi diminuir". Ele discorda frontalmente da redução dos recursos para investimentos nesta área. "Em vez de aplicar mais, para que o homem do campo continue a produzir para a cidade e para os maiores centros comerciais, os investimentos foram reduzidos", lamenta. Nery lembra que este foi um ano rico para o meio rural do Município, com relação a chuvas. "O poder público poderia ter investido mais.  Feira de Santana deve voltar a ser uma das bacias mais produtoras de leite, bem como de feijão e milho”. No entanto, ele diz, elevados investimentos são feitos em comunicação, "para dar visibilidade ao Governo, permitir  a maquiagem de muitas mazelas”.

Roberto Tourinho (PSB) reforça: "a Prefeitura não está disponibilizando nem mesmo sementes para o homem do campo, que  está abandonado pela ineficiência dos serviços públicos, principalmente nas áreas da saúde, infraestrutura, educação e transporte”.

FONTE: Ascom - Câmara Municipal



Política LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje