Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quinta, 24 de setembro de 2020

Educação

Comissão discute Plano Municipal de Educação

01 de julho de 2015 | 18h 08
Comissão discute Plano Municipal de Educação
Metas e estratégias para a Conferência de Educação também foram discutidas durante a reunião-Foto: Andreyse Porto

Especificidades de Feira de Santana estão sendo discutidas pela Comissão Coordenadora de Revisão do Plano Municipal de Educação (PME). Membros das subcomissões debateram nesta terça-feira, 30, a proposta do Plano que será apresentada à sociedade civil no próximo dia 14 de julho, nas Salas Temáticas que integram a II Conferência Municipal de Educação.

Compostas por representantes de diversos segmentos ligados à Educação, como a Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), APLB-Sindicato (Associação dos Professores Licenciados da Bahia), da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), a Secretaria Municipal de Educação, escolas da rede municipal e privada, entre outros, as subcomissões definiram pontos pertinentes para o setor, no município, que diferenciam ou se assemelham aos planos Nacional e Estadual.

Metas e estratégias para a Conferência de Educação também foram discutidas durante a reunião. Na área de Educação Especial, o Plano Nacional propõe como meta universalizar, para a população de 4 a 17 anos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, o acesso à educação básica e ao atendimento educacional especializado. A subcomissão que discute este tema acredita que em Feira de Santana esta limitação de idade não seria ideal. Questões como abordagem de diferenças de gênero durante a formação dos professores também foram levantadas na reunião.

A professora Amali Mussi, representante da UEFS, parabenizou a metodologia utilizada na revisão do PME. “Já participei de outras revisões e não pude observar uma apuração como esta. É preciso conhecer as competências e limitações do município sim, pois o plano será vigente por mais 10 anos”, avalia Amali.



Educação LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje