Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, segunda, 25 de outubro de 2021

Bahia

Estado é o 2º do país com a maior taxa de morte violenta intencional

16 de Julho de 2021 | 18h 49
Ouvir a matéria:
Estado é o 2º do país com a maior taxa de morte violenta intencional
Foto: Carol Garcia/ GOVBA

A Bahia é o segundo estado do Brasil que possui a maior taxa de morte violenta intencional a cada 100 mil habitantes (44,9), conforme dados divulgados pelo Anuário da Segurança Pública na quinta-feira (15), que reúne indicadores de diversos tipos de violência em todo o país.

Dentre as cidades da Bahia que lideram o ranking dos 10 municípios mais violentos do país com mais de 100 mil habitantes estão:

3º lugar - Feira de Santana (89,9)

4º lugar - Simões Filho (89,8)

7º lugar - Santo Antônio de Jesus (76,2)

7ª lugar - Camaçari (75,9).

A Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) informou que o aumento das mortes violentas, em 2020, tem relação direta com o acirramento das disputas por territórios entre organizações criminosas envolvidas com o tráfico de drogas.

Ainda segundo o órgão, a medida que colocou mais de 3 mil detentos em prisão domiciliar, por conta da pandemia do novo coronavírus, também influenciou a criminalidade, já que a maior parte eram integrantes de bandos que comercializam entorpecentes e potencializou os embates. "Diante desse cenário, a SSP determinou que as polícias Militar e Civil ampliassem as ações ostensivas e de inteligência, buscando mapear novas lideranças e agir para evitar confrontos, entre criminosos, e também com as polícias", pontuou a SSP.

No ranking  nacional, a Bahia está atrás apenas do Ceará, que registrou taxa de 45,2. Já São Paulo (9), Santa Catarina (11,2) e Minas Gerais (12,6) tiveram as menores taxas.

Feminicídio 

Entre os crimes violentos, a taxa de feminicído na Bahia teve destaque. De acordo com o Anuário da segurança Pública, no ano passado, foram 113 crimes de ódio em que a mulher é assassinada em contexto de violência doméstica ou por misoginia. O número aponta um crescimento de 11,8% em comparação ao registrado pelo estado em 2019.

FONTE: Bahia.ba



Bahia LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje