Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, segunda, 29 de novembro de 2021

Segurança

Suspeito mandou matar pediatra dentro de clínica, na BA, por ciúmes da ex-esposa, conclui polícia

25 de Outubro de 2021 | 13h 01
Suspeito mandou matar pediatra dentro de clínica, na BA, por ciúmes da ex-esposa, conclui polícia
Foto: Reprodução/TV Bahia

A Polícia Civil concluiu que o assassinato do pediatra Júlio César de Queiroz Teixeira, dentro da clínica onde trabalhava, no município de Barra, região oeste da Bahia, foi motivado por ciúmes. De acordo com o G1, as investigações apontam que o suspeito do crime encomendou a morte do médico após sentir ciúmes da ex-mulher, durante consulta com o filho.

Júlio César Teixeira tinha 44 anos e foi executado no dia 23 de setembro, durante o expediente. Ele estava atendendo uma criança, que presenciou o crime. Também testemunharam o assassinato os pais do paciente e a esposa do pediatra, que é enfermeira e trabalhava com ele no local.

Segundo o delegado Jenivaldo Rodrigues Ataíde Santos, titular da Delegacia Territorial de Barra, Diego Santos Silva, de 31 anos, é um ex-marido possessivo e "criou, mentalmente", que o médico teria olhado para os seios da ex-mulher dele. "O filho do acusado era atendido pelo médico há um tempo e, na última consulta, ele esteve presente. A partir de uma imaginação ilusória, ele desconfiou de que a vítima teria olhado para os seios da esposa dele e, então, tramou o homicídio", relatou a autoridade policial.

A suposta motivação do homicídio, diz o G1, é totalmente rejeitada pela família. Para os irmãos do pediatra, o médico pode ter sido morto por uma disputa de espaço de trabalho. A polícia informou que a linha foi analisada, mas não foi confirmada.

Diego Silva foi preso na tarde da última sexta-feira (22), após se apresentar na cidade de Barreiras, também no oeste baiano. Nesta segunda-feira (25), a diretora do Departamento de Polícia do Interior, delegada Rogéria da Silva Araújo, confirmou que o suspeito se manteve em silêncio durante o depoimento.

A informação, no entanto, diverge da versão dada pelo coordenador regional de polícia, delegado Rivaldo Luz. Conforme o G1, ele teria dito, à equipe da TV Oeste, que o acusado havia confessado o crime.

O coordenador da 14ª Coorpin/Irecê, delegado Ernandes Reis Santos Júnior, informou que mesmo com a decisão do suspeito de se manter em silêncio, o órgão concluiu a motivação, uma vez que outros suspeitos presos relataram os fatos.

Além disso, a Polícia Civil confirmou que o filho do suspeito era paciente de Júlio César, o que reforçaria a linha de investigação. "Pessoas ligadas ao acusado disseram que ele tinha olheiros para ficar perto da companheira e já tinha dito a ela que não aceitaria que tivesse outras relações", frisou o delegado Jenivaldo Rodrigues.

Quatro suspeitos já foram presos: os executores do crime e um casal, que segundo o inquérito, atuou como olheiro. Os três homens foram encaminhados para a penitenciária de Barreiras. A mulher está presa na delegacia de Barra. O caso vai ser entregue ao Ministério Público da Bahia (MP-BA).

Segundo o G1, Ernandes Reis Santos Júnior disse que o suspeito é investigado por outros homicídios, na mesma região. Detalhes sobre os crimes, porém, não foram divulgados, porque se encontram sob segredo de Justiça.

Até a manhã do dia 28 de setembro, a polícia apurava se o pediatra foi morto por alertar uma família sobre uma criança atendida por ele, que apresentou sinais de abuso sexual. O caso, de acordo com o G1, teria ocorrido no ano de 2016, em Buritirama, na mesma região. O delegado disse que foi informado sobre a situação pela família do pediatra.

O médico foi atingido por quatro tiros, um deles na cabeça. Ele chegou a ser socorrido, por funcionários da clínica, tendo sido levado a um hospital da região. No entanto, não resistiu aos ferimentos.

Júlio César era natural de em Xique-Xique, no norte da Bahia. Tinha dois filhos, de 5 e 8 anos. Era o mais novo de três irmãos. Estudou em Salvador e se formou em medicina na cidade de Maceió, em Alagoas. Segundo a família, era considerado pacato e vivia para o trabalho. "Ele sempre foi um cara longe de desavenças, de confusões, sempre foi unanimidade na cidade, sempre foi um cara solícito, profissional, um cidadão que sempre se deu bem com todos", disse, ao G1, Lula Teixeira, irmão da vítima.



Segurança LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje