Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quinta, 02 de dezembro de 2021

Glauco Wanderley

Aumento da Previdência e o poder quase absoluto nas mãos de Ronaldo

Glauco Wanderley - 24 de Março de 2017 | 10h 38
Aumento da Previdência e o poder quase absoluto nas mãos de Ronaldo
Professores liderados pela APLB nos protestos contra o aumento da previdência

 

A votação do projeto que aumentou o desconto dos servidores para a Previdência Municipal é só mais uma prova eloquente do grau de poder do prefeito José Ronaldo em Feira de Santana, sem que haja qualquer outra força a lhe fazer ao menos sombra.

Temos uma alegação de que há déficit. Não quero contestar sua existência. Não acredito que o governo fosse inventar o dado. Nem quero que a arrecadação municipal, já muito comprometida com o pagamento de salários, tenha que bancar também aposentadorias, mais do que já o faz, em detrimento das imensas necessidades que a cidade e a maioria de sua população possuem.

O que espanta é o quanto o debate é raso ou inexistente e com pouco esforço o governo aprova o que quer. Diz-se que há um déficit, mas não há um detalhamento. Houve apenas uma audiência pública, por convocação do vereador Roberto Tourinho, na qual compareceram técnicos do Instituto de Previdência e quase nenhum representante de quem vai pagar a conta.

Qual é o tamanho do déficit? Com o aumento escalonado de 2017 a 2019, quanto se vai arrecadar a mais? O problema fica resolvido ou logo adiante vai ter que mexer de novo? A intensa utilização pela prefeitura de mão de obra terceirizada, via cooperativas, é danosa à previdência, por limitar a entrada de novos contribuintes no sistema? Qual seria o impacto de transformar em servidores públicos efetivos esse batalhão de terceirizados? Nada disso se discute, nada se esclarece.

À oposição falta número, como é óbvio, mas faltam também argumentos (com a necessária ressalva da desenvoltura que vem sendo demonstrada pelo novato Zé Filé). Refiro-me aqui à oposição na Câmara, Mas onde estão Ângelo Almeida, Zé Neto e Fernando Torres? Ou acham que o tema não  lhes diz respeito?

Arrancando concessões do governo municipal em Feira de Santana nos últimos anos, há somente a APLB, o sindicato dos professores. O problema é a mentalidade bélica de sua dirigente maior, Marlede Oliveira, adepta da concepção de que se pode sempre ganhar no grito. 

Comportam-se, os professores, de forma mal educada, não deixam os vereadores falarem, sobem nas mesas, invadem plenário e na terça-feira, chegaram ao ápice da autodesmoralização, quando um membro do grupo — pelas imagens aparentemente instigado por outro que lhe fala ao ouvido — resolve que seria uma boa ideia arremessar uma cadeira contra o vidro que separa vereadores e público.

O que ele conseguiu foi aplainar o caminho para aprovação do aumento do imposto. E gerar a convocação de Marlede para depor na polícia. E ainda pode comemorar, porque poderia ter sido pior, caso o vidro tivesse se quebrado ou alguém tivesse se ferido com gravidade.

Um estilo bem diferente de José Ronaldo, que não gosta de briga e prefere cooptar todo que estiver disposto a passar para seu lado. Ele não tem culpa se seus poucos adversários apostam no confronto, mesmo perdendo sempre.



Glauco Wanderley LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje