Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, segunda, 20 de janeiro de 2020

Glauco Wanderley

Prefeito concede quinto ano de aumento real a professores, mas exige volta às aulas

Glauco Wanderley - 03 de abril de 2017 | 12h 23
Prefeito concede quinto ano de aumento real a professores, mas exige volta às aulas
Ano após ano a diferença de reajuste entre o servidor em geral e os da educação

 

Ao anunciar corte de ponto dos professores em greve José Ronaldo endurece o jogo pela primeira vez com a APLB desde o início de seu terceiro mandato, em 2013.

A categoria vem conseguindo sucessivas concessões do prefeito, que, apesar de estar em fase de ensaio para uma candidatura a cargo mais elevado em 2018, não parece disposto a ceder além do que fez ao longo dos últimos cinco anos.

Em todos eles os professores tiveram aumento real, ou seja, acima da inflação. Os demais servidores do município estão restritos a ter o salário reajustado, em maio, pela inflação do ano anterior, o que não deixa de ser uma perda adicional, porque quando o reajuste vem, já estão acumulados cinco meses da inflação do ano vigente. Cargos de confiança, pelo menos os do primeiro escalão, o secretariado, estão com o mesmo salário desde 2013.

Para comparar, o servidor que ganhasse R$ 1.000 no final de 2012, teria com o reajuste pela inflação dos últimos cinco anos, salário de R$ 1.351 para 2017. Já um professor que ganhasse R$ 1.000 chegaria em 2017 a R$ 1.484,20. Este cálculo considera que os servidores municipais fora da Educação terão reajuste pela inflação, como ocorreu até aqui. O anúncio ainda não foi feito. Os professores, que estão em greve, já tiveram a oferta de um pequeno aumento real para este ano (7,64%, para uma inflação de 6,29% em 2016).

Os professores, além dos aumentos sempre acima da inflação, ganharam desde 2015 o direito de receber aumento em janeiro. Foi o ano em que o sindicato da categoria, a APLB, passou a ser comandado por Marlede Oliveira.

Em 2016, os professores fizeram greve aproximadamente por um mês e conquistaram o direito de reservar 30% da carga horária para planejamento, ou seja, fora de sala de aula.



Glauco Wanderley LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje