Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, sábado, 29 de abril de 2017

Glauco Wanderley

Professores invadem plenário e Câmara encerra sessão sem votar aumento na Previdência

Glauco Wanderley - 20 de março de 2017 | 12h 38
Professores invadem plenário e Câmara encerra sessão sem votar aumento na Previdência
Momento em que os professores forçam a entrada em plenário

 

Em greve por questões municipais (enquadramento e plano de carreira), estaduais (aumento salarial) e federais (em protesto contra a reforma da Previdência), os professores de Feira de Santana liderados pela APLB, fizeram manifestação em frente à prefeitura na manhã desta segunda-feira e seguiram para a Câmara.

À medida que o grupo ia lotando a galeria onde fica o público, começou uma pressão para invasão do plenário, onde os vereadores realizam a sessão. Roberto Tourinho discursava e defendeu a abertura do microfone para manifestação da APLB, por meio da sua liderança principal, Marlede Oliveira. 

Mas o tumulto só crescia e o vereador Tom, que presidia a sessão, decidiu encerrar o expediente em plenário, à medida que o espaço era tomado por alguns professores, mesmo que eles tivessem sido contidos por vereadores que se aproximaram para tentar controlar a situação. Bastou para que começassem gritos de “covarde, covarde”.

Na sessão de hoje estava proposta a votação do aumento das alíquotas da previdência municipal, ao qual os professores também se opõem. 

O governo alega que a situação do caixa do Instituto de Previdência é insustentável no longo prazo e que é preciso reajustar a contribuição dos segurados dos atuais 11% do salário para 12% já neste ano (com o início da cobrança do aumento 90 dias após a sanção da lei), 12,5% em 2018 e chegando a 13% no ano de 2019.

O líder do governo na Câmara, José Carneiro, alega que o impacto em termos reais é pequeno. Por exemplo, em um valor salarial de R$ 1.000, pagam-se R$ 110, para a previdência municipal (11%). Com o aumento deste ano (para 12%) o desconto subiria para R$ 120, ou seja, R$ 10 a mais por mês.



Glauco Wanderley LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje