Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, domingo, 07 de março de 2021

César Oliveira- Crônicas

Os vendedores de óleo de peixe e o voto

César Oliveira - 16 de dezembro de 2020 | 22h 35
 Os  vendedores de óleo de peixe e o voto

   Como sabem dois ou três que ouvem minhas lamúrias, incluindo Juracy Dorea - inventor desse sertão de couro- sou órfão da feira livre, desde janeiro de 77.  Tabaréu que só foi ter luz elétrica em casa aos dez anos, só via aglomeração quando vinha com minha mãe, segunda-feira, fazer feira, nos 20 mil metros de ruas que ela ocupava com seus quatro mil barraqueiros. A luta era  acompanhá-la no ritmo com que ela visitava seus fregueses, pechinchando, entre cestos e caçuás.  Tinha pavor de me perder e ficar sozinho sem saber o que fazer, sem sua proteção. As glórias eram um caldo de cana no Predileto, atravessar a poderosa galeria Caribé, para ela ir ao inevitável armarinho Marta,  e finalizar com uma banana real com refrigerante, na lanchonete, na saída para a Sales Babosa.

Um dos perigos era quando eu via os vendedores de óleo de peixe-elétrico. Majestosa visão para minha tabaroice ver  arengueiro anunciando curas milagrosas, realizações impossíveis, o dinheiro entre os dedos, e o peixe elétrico no tanque, pronto para dar sua descarga de 120 volts.  Era muita emoção. Dizem que há mais de 120 espécies deles na América do Sul e que o Puraquê – o maior de todos - pode chegar a 600 volts.

A verdade é que vender curas e milagres é um dos mais antigos ofícios de ludibriar a humanidade. O produto mais simbólico dessa trapaça é o “snake oil”, o óleo de cobra. Ele  surgiu quando os chineses foram construir a primeira ferrovia transcontinental, nos EUA, e levaram uma pomada da medicina chinesa, extraída da cobra d’água (dizem que tem ômega 3). Usavam para reduzir as dores articulares, ao fim do trabalho, o que motivou  falsos médicos americanos criarem um produto xing-ling que curava tudo e fez sucesso no Velho Oeste. Na maioria das vezes só tinha corante. Pagavam para pessoas fingirem cura ( igrejas não lançaram nenhuma novidade), e faturavam muito.  Só chegou ao fim em 1916 com o processo dos EUA contra Clark Stanley, o mais renomado mascate desse linimento, cuja composição era óleo mineral, 1% de sebo, capsaicina de pimenta, terebentina e cânfora.

Nem isso coibiu igrejas, médicos, e outros agentes de saúde, de ética duvidosa, de anunciarem fórmulas milagrosas para cura, emagrecimento rápido, juventude eterna, libido insaciável, reordenações moleculares, nos rádios, TVs, redes sociais, faturando milhões, mostrando que nada muda no velho mundo, embora as velhas diligências e os peixes tenham sido trocados por consultórios modernos, palanques de show, e propaganda filmada com câmeras Alexa 65 Imax.

Outros grandes mascates do “snake oil” são os políticos: eles  prometem transformações revolucionárias que nunca se concretizam, continuam a manter a concentração da riqueza, a brutal distância social, os péssimos serviços, apesar da derrama fiscal, e um voraz apetite pelas verbas públicas. 

É por isso que toda vez que os ouço, mesmo já crescido, tenho medo de me distrair, me perder de minha mãe,  e ela não voltar para me salvar puxando pelas orelhas o adulto iludido pelas mentiras que eles  contam.



César Oliveira- Crônicas LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje